Joy Division Previu o Nosso Tempo?

Nesta segunda-feira (18), temos os 40 anos da morte do vocalista do Joy Division, Ian Curtis. O homem que mostrou a cara mais obscura e realista do movimento underground post punk britânico. A visão melancólica de Ian Curtis sobre o cotidiano das cidades se mostram assustadoramente atuais. Revisitando a discografia da banda, podemos levantar uma grande questão:


O Joy Division Previu o Nosso Tempo de Isolamento Social?

Uma das característica mais marcante do Joy Division está em sua sonoridade melancólica acompanhada de letras com temas mais "depressivas" ou realistas do cotidianos. Ian Curtis, apresentou para o mundo uma estética que muitos resumiriam como triste, mas para todos que entendem realmente o seu tempo, sabem que ali não há nada além da verdade nua e crua.


O movimento criado pela banda era tão sincero, que não escondia detalhes mais "frágeis" da realidade daqueles meninos britânicos, como a própria epilepsia de Ian, que era simulada por ele como uma dança descontrolada em cima dos palcos.


A faixa "Isolation", nos últimos dias tem ganhado um caráter cada vez mais premonitório. Lançando um desabafo paradoxal de um sentimentos antigo, que mais do que nunca, se mostra totalmente atual. A sensação de isolamento.


A música conta com com versos como:

Com medo todo dia, toda noite, Rendido a se auto-preservar / dos outros que cuidam de si mesmos.

Aqui encontramos um olhar direto para o obscuro momento que a humanidade viveu nos anos 70, e que podemos evidenciar muito hoje com a situação do Covid 19. Mas como pode uma canção de uma geração tão diferente, antecipar liricamente um sentimento atual?


Premunição Mística ou Precisão Artística?


A arte possui diversas missões, entre elas estão entreter, divertir, incomodar, causar humor... no sentido mais profundo podemos resumir a missão do artista como a de impactar a percepção das pessoas de uma forma única, através das próprias visões do mundo do espectador.


E neste quesito, Ian Curtis mostra uma grande precisão artística, sendo ele o homem que viveu a geração No Future, em uma realidade "pós grandes guerras" em que o sonho da paz se mostrava uma mentira distorcida. Lá estava ele com sua dança desesperada em cima do palcos, enquanto a grande maioria dos britânicos se encontravam em um tempo de desemprego e falta de esperança.


Hoje podemos perceber que a precisão artística e lírica de Ian é inquestionável. Representando em suas letras mais do que o retrato social de uma época dura, mas os problemas do homem enquanto indivíduo, que estão presentes em todas as diversas eras da humanidade. Cumprindo sua missão artista, Isolation, nos impacta hoje através da nossa perspectiva de mundo e infelizmente, nos representa neste momento tão singular da humanidade. Todos nós já sabemos do triste fim da vida de Ian, seu suicídio aos 23 anos, e pensando nisso o Joy division hoje se reune.


Joy Division se reunirá hoje em uma live para relembrar 40 anos da morte de Ian Curtis, o objetivo da live é levantar fundo monetário para Manchester Mind, organização de saúde mental gratuita.



  • YouTube
  • Facebook
  • Instagram