E o Power Metal!?

Atualizado: 10 de Fev de 2020


IAI Estranhos! O tema de hoje é um estilo musical que vai fazer com que você queira colocar o volume no máximo e explodir os ouvidos com os sons potentes que iremos apresentar a vocês.


The Fu##ng Power Metal


Tudo começa na década de 70, período que para o rock foi de extrema importância para se tornar o que conhecemos atualmente. Nesta mesma época, muitos jovens sonhadores decidiram pegar seus instrumentos e se arriscarem no estilo Rock and Roll, tornando-o algo popular entre a juventude da época que passaram a escutar bandas como Kiss, Led Zeppelin, Aerosmith, Ramones, Eagles... entre outras grandes bandas que surgiram na época.


Em paralelo a isto, surgiu a febre do Dungeons & Dragons (famoso D&D), entre 1974 e início dos anos 1980, o que incentivou outros sistemas de RPG a surgirem. Diferente dos jogos que estamos acostumados, as aventuras de Role-Playing Game da época aconteciam em fomato de tabuleiro onde deveria ter uma pessoa para mestrar o jogo e guiar os personagens. Os demais, assumiam papéis diferentes e criavam suas próprias narrativas, improvisando de forma colaborativa. Levou pouco tempo para vários jovens começarem a se reunirem em suas casas para jogarem RPG de mesa, fantasiados, vivenciando personagens fantásticos e medievais. A febre se tornou uma epidemia. Assim como as crianças de Stranger Things, adolescentes e adultos deixavam de sair para boates, bares ou festas para ficarem em casa com os amigos jogando.


Esta tendência fez crescer o desejo dos jogadores de se sentirem cada vez mais imersos na trama guiada pelo mestre. Neste contexto, a música surge para criar uma atmosfera dramática. Assim, podemos dizer que foi cortado o cordão umbilical do Power Metal.


As duas bandas que plantaram a semente para o surgimento do novo estilo musical foi o Judas Priest, e principalmente, o Rainbow comandado pela potente voz de Ronnie James Dio, na década de 70. O Judas Priest enriqueceu ao utilizar um vocal quase que constantemente em notas altas, algo incomum até o momento. Enquanto isso, o Rainbow abordava temas medievais, ficção científica, renascença e folclore em suas letras. Características estas que moldam a alma do Power Metal que conhecemos. As músicas Stargazer e Kill the King presentes no álbum Rising e Long Live Rock ‘n’ Roll respectivamente são consideradas as primeiras canções do estilo musical. Acontecimento importante para tornar o Power Metal popular.


Rainbow - Stargazer


Com este tiro de largada diversas bandas apareceram tornando as características do Power Metal cada vez mais fortes. De forma orgânica, ocorreu uma mescla entre os estilos speed e heavy metal melódico por meio de bandas conceituadas hoje em dia. Como por exemplo, Blind Guardian, banda alemã que busca suas inspirações na cultura medieval, mitologias nórdicas e gregas e nas obras de J. R. R. Tolkien, escritor de Senhor dos Anéis. Caso queiram sentir um pouco do peso que esta banda carrega, recomendo começar pelo álbum Nightfall In Middle Earth (1998), álbum completamente dedicado às obras tolkerianas.



Blind Guardian - Mirror Mirror (Nightfall In The Middle Earth)


Outra banda bem posicionada no Power Metal é o Edguy. Também nascida na Alemanha, é liderada pelo vocalista, compositor, baixista e tecladista Tobias Sammet. A banda nasceu em 1994 quando Tobi (como é conhecido pelos fãs) tinha apenas 16 anos de idade. O álbum Kingdom of Madness (1997) foi o que chamou a atenção das distribuidoras do mundo, pois apresenta o talento lírico do jovem compositor quase sempre voltada para o lado mais sinistro da existência humana mantendo elementos característicos do Power Metal como temas épicos e a literatura fantasiosa. Nossa recomendação musical para essa banda é Mysteria e The Piper Never Dies.


Edguy - Mysteria


Os italianos também não decepcionaram com a Rhapsody of Fire, criada em 1993 (Inicialmente com o nome Thundercross), fundada por Luca Turilli e Alex Staropoli, a banda era carregada de um som épico com elementos de música clássica (Fazendo referências a Vivaldi, Bach e Paganini), barroca, heary metal e narrações líricas. Nos anos que se seguiram Turilli e Staropoli se reuniram a Fabio Lione que assumiu o vocal e desenvolveram álbuns que são verdadeiras obras primas, como Symphony of Echanted Lands (1998), onde recomendamos a música Emerald Sword (se prepare para arrepiar no refrão).


Rhapsody Of Fire - Emerald Sword


E para inflar o nosso sentimento ufanista não podíamos deixar de fora desta lista a banda brasileira Angra. Formada na cidade de São Paulo em 1991 pelo vocalista e multi-instrumentista André Matos e os guitarristas Rafael Bittencourt e André Linhares. É impossível ouvir o som desta banda e não sentir uma pontada de orgulho de saber que ela tem sangue brasileiro. É nítida a presença do heavy metal, ritmos étnicos do Brasil e a sofisticação da música erudita. Angra significa “Deusa do fogo e da beleza” na mitologia tupiniquim. O vocalista André Matos faleceu em junho de 2019 poucos dias depois de tocar ao lado de Tobias Sammet (vocalista do Edguy) em um show com a banda Shaman no Espaço das Américas em São Paulo. No entanto, o vocalista já havia deixado o Angra há muito tempo, mais precisamente em 2000, período em que foi anunciado uma nova formação para a banda com Aquiles Priester na bateria, Felipe Andreoli no baixo e Edu Falaschi no vocal. Em 2001, foi lançado o álbum Rebirth que fez muito sucesso. Hoje em dia, quem assume o vocal da banda é o Fabio Lione (Ex-vocalista do Rapsody Of Fire), fator que causa polêmica entre músicos e fãs que acreditam que a formação deveria ser 100% brasileira, para preservar a essência da época em que foi fundada. As músicas que recomendamos para vocês sentirem o poder dos dois primeiros vocalistas são: A famosa Carry On, canção presente no álbum Angels Cry que venceu diversas premiações e Acid Rain, música que contém Edu Falaschi no vocal e elementos muito fortes da nossa cultura.


Angra - Acid Rain


Para concluir nossa lista de indicações musicais utilizaremos uma carta coringa para você que deseja realmente conhecer o Power Metal em diversos aspectos de uma vez só. Esta última indicação é um projeto liderado pelo vocalista do Edguy, Tobias Sammet. Em 1999, o jovem alemão decidiu reunir seus ídolos do gênero para a produção de um álbum que incorporasse todos os aspectos e variações que Power Metal contém e que discutimos até agora. Desta forma surgiu o Avantasia, o projeto reúne artistas de grandes bandas como Nightwish, Helloween, Virgin Steele, Within Tempation, Angra, Gamma Ray, Magnum, Masterplan, Scorpions, Kamelot, Symphony X, Savatage... entre muitas outras bandas do estilo. Tobias utilizou toda sua habilidade lírica para construir canções contendo histórias medievais e criou personagens para contar seus contos através de seus álbuns. Neste momento, não entraremos em muito detalhes sobre a história deste projeto pois faremos um texto à parte. Mas pra você estranho, que está curioso para saber o resultado, eu indico a música Seven Angels no segundo álbum da banda chamado Metal Opera part II. Esta é considerada pelos fãs a maior obra prima do músico, mas claro que não é a única. Aguardem.


Avantasia - The Seven Angels


É claro que nesta lista ainda faltam muitas outras bandas que abordaremos em novos textos, afinal Power Metal é um estilo enorme que possibilita segmentações para muitos lados.


E você, estranho, tem alguma banda para nos indicar? Fala com a gente ai embaixo!

  • YouTube
  • Facebook
  • Instagram